Nos parques privatizados nossos impulsos consumistas

Depois de ter concedido no ano passado as gestões do Cantareira e do Horto Florestal, o governador João Dória, o que desistiu de desistir de sua candidatura à Presidência da República, acaba de privatizar mais três parques, todos na zona oeste da cidade: Villa Lobos, Candido Portinari e Água Branca.

Tal qual o prefeito Ricardo Nunes vem realizando na cidade, a privatização de bens públicos e de empresas seguem a pleno vapor no Estado de São Paulo.

Todo esse processo segue um roteiro bastante manjado. Primeiro se abandonam os serviços de manutenção dos equipamentos públicos.

Depois, o sucateamento dá lugar a justificativa de que passar administração para a iniciativa privada é o remédio para todos os males.

Sob a promessa de que vão receber investimentos e de que não haverá cobrança de taxas de ingressos, as concessões dos parques são a perder de vista, ou seja, por 30 anos.

O fato mais subliminar dessas privatizações, porém, é a mudança radical de como os atuais governantes olham para a população, sempre guiados pela lógica empresarial. E tudo como oportunidade de negócios.

Quem se aventurar a frequentar um dos parques privatizados começará a sentir que deixa de ser cidadão para contemplar e se apropriar de um atrativo natural que foi um bem público, portanto ao alcance de todos.

Todos, sem exceção, serão encarados como potenciais consumidores de produtos e serviços que serão oferecidos pelos gestores privados.

Assim como os labirintos de produtos e bugigangas que nos cercam próximos dos caixas de supermercados, estaremos todos sujeitos aos impulsos consumistas nos parques.

Gostou do Conteúdo? Compartilhe

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no Linkdin
Compartilhar no Whatsapp

Ou deixa um comentário pra Ju

© 2022 Juliana Cardoso | Todos Direitos Reservados – Desenvolvido por www.odas.com.br

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação. Clique aqui para ler a Política de Privacidade, ou no botão ao lado para continuar navegando.